Campinas/SP - Quinta, 22 de outubro de 2020 Agência de Notícias e Editora Comunicativa Ltda.  
 
 
  home
  comunicativa
  profissionais
  publicações
  clientes
  projetos
  entrevistas
  baú de notícias
  clippings
  galeria de fotos
  ensaios
  extra pauta
  cadastre-se !
  contato
Digite a expressão que deseja buscar
Cadastre-se e receba, por e-mail, as últimas do ClickNotícia.


Rua Alberto Belintani, 41
Telefone: (19) 3256-4863
Fax: (19) 3256-9059
CEP: 13087-680
Campinas-SP

 

CLIPPING: SEMINIS

Agrolink - Aumento do uso de sementes caseiras preocupa mercado




Aumento do uso de sementes caseiras preocupa mercado

O uso de sementes de segunda geração (produzidas pelos próprios agricultores em casa ou por comerciantes) tem aumentado na área de horticultura e provocado prejuízos em todo país, com a proliferação de doenças, depreciação comercial dos produtos, além da perda de produtividade e uniformidade.

A ABCSEM (Associação Brasileira de Comércio de Sementes e Mudas) já denunciou formalmente o problema ao Ministério da Agricultura, embasada nos registros de cultivos de melão do Vale do São Francisco (RN), onde há uma estimativa de que a produção de sementes F2 pode chegar a 90% da área plantada.

Em Almirante Tamandaré (PR), o viveirista Edson Guarise conta a experiência de produzir mudas com sementes de segunda geração fornecidas por produtores: "tive que pulverizar toda a estufa para evitar que as doenças trazidas por estas sementes contaminassem outras culturas e isso, além de aumentar em cerca de 15% o custo da produção, não foi suficiente para evitar que somente 40% das mudas sobrevivessem", diz ele. E alerta: " o uso de sementes caseiras não compensa, porque a semente representa de 2 a 5% do custo de produção e garante produtividade, uniformidade e menor uso de insumos".

O diretor da Associação Brasileira dos Produtores de Sementes (ABRASEM), Ivo Marcos Carraro, que também é presidente da Associação Brasileira de Obtentores Vegetais (Braspov) e diretor executivo da Cooperativa Central de Pesquisa Agrícola (Coodetec), enfatiza que "pouco tem se atentado para a pirataria de sementes que vem crescendo assustadoramente e a conseqüência poderá ser desastrosa para o agronegócio nacional".

A Seminis, que já sofreu no ano passado duas tentativas de fraude de suas sementes no Brasil e tem acompanhado o crescimento do uso de sementes caseiras, está orientando os produtores brasileiros, através de palestras e distribuição de folhetos técnicos, sobre os danos que estas sementespodem ocasionar.

No México, um vendedor de sementes foi preso em dez/2004 depois da Seminis comprovar que ele fraudava e falsificava suas embalagens, provocando prejuízos e sérios danos à imagem da empresa. Sendo a semente um insumo básico que determina o sucesso dos outros insumos que o produtor usa na lavoura ,a Seminis alerta que a melhor forma de iniciar uma lavoura é comprando sementes originais, com nota fiscal na qual conste a variedade e número de lote. Só assim o produtor terá amparo legal se tiver qualquer problema.

Redação
Fonte: Cultivar

« voltar



   Clicknotícia® by Comunicativa    Política de Privacidade Desenvolvimento: Webcompany®