Campinas/SP - Domingo, 25 de outubro de 2020 Agência de Notícias e Editora Comunicativa Ltda.  
 
 
  home
  comunicativa
  profissionais
  publicações
  clientes
  projetos
  entrevistas
  baú de notícias
  clippings
  galeria de fotos
  ensaios
  extra pauta
  cadastre-se !
  contato
Digite a expressão que deseja buscar
Cadastre-se e receba, por e-mail, as últimas do ClickNotícia.


Rua Alberto Belintani, 41
Telefone: (19) 3256-4863
Fax: (19) 3256-9059
CEP: 13087-680
Campinas-SP

 

CLIPPING: SEMINIS

Folha de São Paulo - Caderno AgroFolha - Pág. 12 - Murchadeira da alface danifica lavoura de SP


A alface, a principal hortaliça folhosa cultivada no Brasil, enfrenta um novo problema: a murchadeira da alface. A doença é causada por um fungo (Thielaviopsis basicola) que ataca a raiz da alface dos tipos lisa e americana, fazendo com que as folhas fiquem murchas.

No Brasil, a alface ocupa uma área de aproximadamente 31 mil hectares e movimenta R$ 2 bilhões por ano. O Estado de São Paulo é responsável por quase metade dessa produção, com 14 mil hectares plantados. A principal área produtora é a região de Mogi das Cruzes, com 60% do cultivo de alface do Estado.

A região de Campinas é, no entanto, a mais atingida no Estado. Fernando Cesar Sala, um dos pesquisadores da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) da USP responsáveis pelo estudo, diz que não é possível mensurar com precisão os prejuízos. Ele conta, no entanto, que relatos de produtores dão conta de perdas de até 50% da lavoura.

O primeiro sintoma se manifesta na raiz da alface, que apresenta manchas escuras. Depois, as raízes laterais vão apodrecendo. Por fim, o crescimento da planta é afetado e as folhas ficam murchas nas horas mais quentes do dia.

O combate à doença é difícil, dizem os pesquisadores, porque muitas vezes seu diagnóstico não é feito corretamente. Frequentemente é confundida com distúrbios fisiológicos como falta de irrigação ou salinização devido ao uso abusivo de fertilizantes, dizem os pesquisadores da Esalq.

Para tratar o problema, Sala faz duas recomendações: praticar a rotação de culturas e usar variedades resistentes à doença, como a alface crespa. “Existem variedades de alface lisa e americana que são resistentes à murchadeira. Indicamos que se consulte o técnico da região, que pode apontar a variedade correta”, afirma Sala.

A pesquisa, feita com o apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), mostra que, normalmente, os esporos que causam a murchadeira, são disseminados por meio de mudas e solo contaminados, máquinas e ferramentas utilizadas nas práticas culturais e água de irrigação ou drenagem.

« voltar



   Clicknotícia® by Comunicativa    Política de Privacidade Desenvolvimento: Webcompany®