Campinas/SP - Quinta, 13 de agosto de 2020 Agência de Notícias e Editora Comunicativa Ltda.  
 
 
  home
  comunicativa
  profissionais
  publicações
  clientes
  projetos
  entrevistas
  baú de notícias
  clippings
  galeria de fotos
  ensaios
  extra pauta
  cadastre-se !
  contato
Digite a expressão que deseja buscar
Cadastre-se e receba, por e-mail, as últimas do ClickNotícia.


Rua Alberto Belintani, 41
Telefone: (19) 3256-4863
Fax: (19) 3256-9059
CEP: 13087-680
Campinas-SP

 

CLIPPING: SEMINIS

Revista Frutas & Legumes - Pág. 08 - Murchadeira de alface


A alface, principal hortaliça folhosa cultivada no Brasil, movimenta 2 bilhões/ano e ocupa uma área de aproximadamente 31 mil ha, com a geração de cinco empregos diretos por hectare. A atividade está em risco em função da nova doença detectada no País e confirmada por pesquisa da ESALQ/USP, financiada pela Fapesp.

A nova doença está se expandindo rapidamente nas principais regiões produtoras de alface do Estado de São Paulo, tanto em campo quanto em sistemas hidropônicos.

Conhecida como murchadeira da alface, ela é provocada por um fungo e causa podridão das raízes, reduzindo o tamanho das plantas e provocando, consequentemente, seu murchamento.

As principais variedades de alface tipo lisa e americana cultivadas no Brasil são suscetíveis à doença, explica o pesquisador Fernando Cesar Sala, da ESALQ/USP, que, junto com outros acadêmicos, desenvolveu uma pesquisa em que avaliou a manifestação da doença e realizou testes de resistência.

“O método mais eficaz, prático e barato para o controle da murchadeira é o emprego de cultivares resistentes ao fungo”, sugere Sala.

A murchadeira da alface (ou podridão negra das raízes) é causada pelo fungo Thielaviopsis basicola e foi constatada no Brasil em 1999, no Rio de Janeiro, sendo frequentemente confundida com distúrbios fisiológicos.

As plantas atacadas pelo fungo apresentam, inicialmente, manchas escuras nas raízes e, com o avanço da doença, principalmente as raízes laterais vão se tornando completamente apodrecidas.

O patógeno produz esporos (espécie de sementes do fungo) que podem ser transportados pelo vento ou permanecer dormentes no solo por um período de três a cinco anos.

Normalmente, os esporos são disseminados através de mudas e solo contaminados, de máquinas e ferramentas utilizadas nas práticas culturais e da água de irrigação ou drenagem.

Segundo o pesquisador, existem fortes suspeitas de que o patógeno tenha sido introduzido no Brasil através de turfa (composto rico em matéria orgânica) contaminada e usada na formulação de substratos de mudas.

Além da utilização de espécies resistentes, Sala recomenda a adoção de práticas de manejo adequadas à cultura, como uso de mudas sadias, substrato livre de patógeno, irrigação e adubação apropriadas.

Além disso, rotação de culturas e solarização, tanto do solo quanto do substrato, são alternativas válidas para minimizar as perdas pela murchadeira da alface.

« voltar



   Clicknotícia® by Comunicativa    Política de Privacidade Desenvolvimento: Webcompany®