Campinas/SP - Terça, 12 de dezembro de 2017 Agência de Notícias e Editora Comunicativa Ltda.  
 
 
  home
  comunicativa
  profissionais
  publicações
  clientes
  projetos
  entrevistas
  baú de notícias
  clippings
  galeria de fotos
  ensaios
  extra pauta
  cadastre-se !
  contato
Digite a expressão que deseja buscar
Cadastre-se e receba, por e-mail, as últimas do ClickNotícia.


Rua Alberto Belintani, 41
Telefone: (19) 3256-4863
Fax: (19) 3256-9059
CEP: 13087-680
Campinas-SP

 

COP23, EM BONN, APROVA ´PLANO DE AÇÃO DE GÊNERO´  


Desde 2008 a Comunicativa passou a atuar no mercado de comunicação com características próprias de Agência de Notícias e Editora. Como Agência ela se propõe a levantar informações de interesse jornalístico, na macro região de Campinas, espontaneamente ou por demanda para difundí-las através do site www.clicknoticia.com.br. Como Editora ela coloca à disposição de instituições públicas ou privadas o seu corpo de profissionais para produção de publicações jornalísticas nas mídias hoje disponíveis. Ao conhecer a empresa e suas necessidades no setor de comunicação, podem ser sugeridas novas ferramentas através da elaboração de um Plano de Comunicação, incluindo jornal para os funcionários, publicações institucionais ou específicas para os clientes, abastecimento de sites, entre outras. Esse trabalho é pautado pelos critérios técnicos e a ética das notícias e suas conseqüências. A Comunicativa foi criada como prestadora de serviços jornalísticos em abril de 1996 em função da demanda de profissionais capacitados para interrelacionar o segmento corporativo e os veículos de comunicação jornalística. Fones: (19) 3256 4863 / 3256 9059


»
Baú de Notícias
» Galeria de Fotos

» Clipping

   


Crianças são obrigadas a usar máscaras devido ao fumo tóxico de incêndios terrestres de turfa. Palangka Raya, Kalimantan Central. - Foto de Aulia Erlangga / CIFOR (CC BY-NC-ND 2.0)


27/11/2017 - Nos próximos dois anos, ele deverá aumentar o número de mulheres que tomam decisões sobre o clima, capacitar os formuladores de políticas masculinas e femininas na integração da igualdade de gênero em programas de financiamento climático e envolver organizações de base e de mulheres indígenas para ação climática local.

"A adoção do primeiro Plano de Ação de Gênero pela UNFCCC é um grande passo adiante para uma Convenção que era cega ao tema em seu início”, destaca Mary Robinson, ex-presidente da Irlanda e fundadora da Fundação Mary Robinson - Justiça Climática. “Ainda não damos às mulheres de base e indígenas um assento na mesa nas negociações para compartilhar sua experiência vivida e conhecimento local, e estamos mais longe de alcançar o objetivo do equilíbrio de gênero. Não devemos perder de vista a nossa humanidade compartilhada quando implementamos o Acordo de Paris - se não conseguimos envolver pessoas, não conseguiremos alcançar nossas metas climáticas", completa.

MULHERES SOFREM MAIS
As mulheres são mais prejudicadas pelas mudanças climáticas e pelos desastres naturais do que os homens. Mulheres e crianças têm 14 vezes mais chances de morrer durante desastres naturais. Estudos mostram que, após as catástrofes climáticas, geralmente é mais difícil para as mulheres pobres recuperarem suas posições econômicas do que homens pobres. Em 2050, o número de pessoas fugindo dos impactos das mudanças climáticas pode atingir 150 milhões, dos quais 80% serão mulheres e crianças. Na África subsaariana, 71% da responsabilidade pela coleta de água para as famílias cai sobre mulheres e meninas. A mudança de padrões de chuva pode forçar as mulheres a viajar ainda mais longe. Apesar disso, ainda não são representadas de forma igual nas tomadas de decisões que afetam suas vidas.

VEJA FOTOS


"Existe uma ligação intrínseca entre criar uma sociedade mais justa entre países, entre pessoas, entre mulheres e homens e combater a mudança climática. Simplesmente não podemos resolver este grande desafio sem direitos e acesso equitativos à gestão de recursos naturais, ao financiamento e à tomada de decisões”, afirma Bridget Burns, Coordenadora da Organização para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento das Mulheres (WEDO). “As mulheres ao redor do mundo estiveram na linha de frente de soluções climáticas locais e sustentáveis ​​que transformam nosso sistema atual e realmente investem em pessoas e comunidades. A igualdade de gênero e os direitos humanos são fundamentais para a ação climática efetiva ".

As primeiras decisões relativas à igualdade de gênero e participação das mulheres no âmbito da Convenção do Clima da ONU foram tomadas em 2001. Em Bali, em 2010, as Partes adotaram várias decisões que integram uma dimensão de gênero em finanças, adaptação e capacitação, enviando uma forte mensagem de que, para ações climáticas efetivas, devemos garantir a igualdade de gênero e a participação das mulheres. Desde então considerações de igualdade de gênero foram incluídas em quase todas as áreas temáticas das decisões adotadas da UNFCCC. Isso inclui a notável decisão de Doha 23 / CP.18 em 2012, vinculada à paridade e participação das mulheres; o lançamento do Programa de Trabalho de Lima sobre Gênero (LWPG); o preâmbulo do Acordo de Paris e os seus artigos 7 e 11 sobre adaptação e capacitação; e a decisão 21 / CP.22 sobre conscientização e sobre o fortalecimento de capacidades.
 

 
 
   
   
« voltar  


   Clicknotícia® by Comunicativa    Política de Privacidade Desenvolvimento: Webcompany®