Campinas/SP - Sábado, 23 de junho de 2018 Agência de Notícias e Editora Comunicativa Ltda.  
 
 
  home
  comunicativa
  profissionais
  publicações
  clientes
  projetos
  entrevistas
  baú de notícias
  clippings
  galeria de fotos
  ensaios
  extra pauta
  cadastre-se !
  contato
Digite a expressão que deseja buscar
Cadastre-se e receba, por e-mail, as últimas do ClickNotícia.


Rua Alberto Belintani, 41
Telefone: (19) 3256-4863
Fax: (19) 3256-9059
CEP: 13087-680
Campinas-SP

 

FUNDAÇÃO DORINA NOWILL DITRIBUI LIVROS DIGITAS GRÁTIS  


Desde 2008 a Comunicativa passou a atuar no mercado de comunicação com características próprias de Agência de Notícias e Editora. Como Agência ela se propõe a levantar informações de interesse jornalístico, na macro região de Campinas, espontaneamente ou por demanda para difundí-las através do site www.clicknoticia.com.br. Como Editora ela coloca à disposição de instituições públicas ou privadas o seu corpo de profissionais para produção de publicações jornalísticas nas mídias hoje disponíveis. Ao conhecer a empresa e suas necessidades no setor de comunicação, podem ser sugeridas novas ferramentas através da elaboração de um Plano de Comunicação, incluindo jornal para os funcionários, publicações institucionais ou específicas para os clientes, abastecimento de sites, entre outras. Esse trabalho é pautado pelos critérios técnicos e a ética das notícias e suas conseqüências. A Comunicativa foi criada como prestadora de serviços jornalísticos em abril de 1996 em função da demanda de profissionais capacitados para interrelacionar o segmento corporativo e os veículos de comunicação jornalística. Fones: (19) 3256 4863 / 3256 9059


»
Baú de Notícias
» Galeria de Fotos

» Clipping

   



10/04/2018 - A partir deste mês, o Governo do Estado de S.Paulo, Secretaria da Cultura e a Fundação Dorina Nowill para Cegos promovem mais uma importante iniciativa em prol da democratização da leitura digital acessível. Com patrocínio da White Martins e Fox Conn, o projeto Leitura Digital Acessível garante a produção de 12 mil livros em formato Daisy (Digital Accessible Information System), distribuídos gratuitamente a 1 mil instituições paulistas, entre elas, bibliotecas, escolas públicas e projetos sociais. O implemento de novas obras nos acervos de São Paulo conta com títulos infantis, infanto-juvenis, clássicos nacionais e internacionais, best-sellers e quadrinhos.

O Leitura Digital Acessível traz ainda uma importante inovação. Pela primeira vez, os livros em formato acessível Daisy foram feitos com gravação de voz humana na leitura das obras. Para o projeto, serão disponibilizadas versões acessíveis das obras A bruxa de Salomé, de Audrey Wood; A guerra não tem rosto de mulher, de Svetlana Aleksiévitch; A insônia do vampiro, de Ivan Jaf; Biblioteca de almas e Cidade dos etéreos, de Ransom Riggs; Escândalos privados, de Nora Roberts; Martin e Rosa: Martin Luther King e Rosa Parks, unidos pela igualdade, de Raphaele Frier; Meu livro de cordel, de Cora Coralina; Não fale com estranhos, de Harlan Coben; O orfanato Srta. Peregrine, livros 1 e 2, de Ransom Riggs; O outro pé da sereia, de Mia Couto, e Os escorpiões contra o círculo de fogo, de Ignácio de Loyola Brandão.

"A produção dos livros em formato acessível é uma importante maneira de democratizar o conhecimento e acesso à cultura para milhares de pessoas com deficiência visual, permitindo, por exemplo, a descrição de figuras e ilustrações fundamentais para a leitura e compreensão de todo o conteúdo elaborado por autores", diz Alexandre Munck, superintendente da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

Disponibilizados em CDs, os livros do projeto Leitura Digital Acessível possuem mecanismos de buscas por palavras, são editados com notas de rodapé opcionais, marcadores de texto, soletração, leitura integral de abreviaturas e de sinais, além da pronúncia correta de palavras estrangeiras. "Com o projeto, buscamos conferir mais independência e autonomia aos leitores cegos ou com baixa visão de todo o Estado de São Paulo, além de acesso a obras aclamadas nacional e internacionalmente", comemora Munck. Vale lembrar que para acessar os conteúdos dos livros em formato Daisy é necessário o uso de programas gratuitos como DDReader.

Oficina de leitura inclusiva

Para que o formato acessível seja cada vez mais conhecido e difundido é preciso ir além da distribuição dos livros. Por isso, o projeto Leitura Digital Acessível inclui ainda a formação de 300 bibliotecários, professores e educadores das cidades de Araraquara, Bragança Paulista, Campinas, Mogi Mirim, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos e São Paulo.

As oficinas ministradas pela equipe da Rede de Leitura da Fundação Dorina Nowill para Cegos são gratuitas e serão realizadas entre os meses de março e junho deste ano. A programação da oficina envolve temas como: a pessoa com deficiência visual e a leitura, acessibilidade e o uso dos livros em formato acessível, além de orientações técnicas e práticas sobre o uso do livro Daisy e informações sobre o ePub3. Os interessados em participar podem se candidatar a uma vaga gratuita e acompanhar a agenda de oficinas pelas cidades envolvidas no site www.redeleiturainclusiva.org.br.
 

 
Cadastro de Jornalista  
   
   
« voltar  


   Clicknotícia® by Comunicativa    Política de Privacidade Desenvolvimento: Webcompany®