Campinas/SP - Quinta, 17 de outubro de 2019 Agência de Notícias e Editora Comunicativa Ltda.  
 
 
  home
  comunicativa
  profissionais
  publicações
  clientes
  projetos
  entrevistas
  baú de notícias
  clippings
  galeria de fotos
  ensaios
  extra pauta
  cadastre-se !
  contato
Digite a expressão que deseja buscar
Cadastre-se e receba, por e-mail, as últimas do ClickNotícia.


Rua Alberto Belintani, 41
Telefone: (19) 3256-4863
Fax: (19) 3256-9059
CEP: 13087-680
Campinas-SP

 

FEMINICÍDIO EM CAMPINAS SUPERA MÉDIA ESTADUAL  


Desde 2008 a Comunicativa passou a atuar no mercado de comunicação com características próprias de Agência de Notícias e Editora. Como Agência ela se propõe a levantar informações de interesse jornalístico, na macro região de Campinas, espontaneamente ou por demanda para difundí-las através do site www.clicknoticia.com.br. Como Editora ela coloca à disposição de instituições públicas ou privadas o seu corpo de profissionais para produção de publicações jornalísticas nas mídias hoje disponíveis. Ao conhecer a empresa e suas necessidades no setor de comunicação, podem ser sugeridas novas ferramentas através da elaboração de um Plano de Comunicação, incluindo jornal para os funcionários, publicações institucionais ou específicas para os clientes, abastecimento de sites, entre outras. Esse trabalho é pautado pelos critérios técnicos e a ética das notícias e suas conseqüências. A Comunicativa foi criada como prestadora de serviços jornalísticos em abril de 1996 em função da demanda de profissionais capacitados para interrelacionar o segmento corporativo e os veículos de comunicação jornalística. Fones: (19) 3256 4863 / 3256 9059


»
Baú de Notícias
» Galeria de Fotos

» Clipping

   



01/08/2019 - Esse é o perfil majoritário das mulheres vítimas de feminicídio, em Campinas, extraído de uma pesquisa publicada recentemente por um grupo de pesquisadores da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, na Revista Cadernos de Saúde Pública.

A partir da análise de 582 declarações de óbitos registradas no município, em 2015, o estudo constatou a incidência de 3,18 casos de feminicídio a cada 100 mil mulheres, ficando a cidade próxima da média nacional (4,8:100 000), e acima da média estadual (2,4:100 000).

Do total de mortes declaradas, 185 corresponderam a homicídios de homens (85,9%) e 26 de mulheres (14,1%). Das 26 mulheres assassinadas, 19 foram vítimas de feminicídio, ou seja, foram mortas pelo simples fato de serem mulheres. Dentre elas, uma parcela significativa (63,2%) foi vítima do próprio companheiro. Duas estavam grávidas no momento da morte.

A maior parte dos crimes foi cometida no domicílio da vítima (52,6%) e na via pública (42,1%). O principal mecanismo de morte foi a arma branca, como machados e facas (31,5%), seguida da arma de fogo (26,3%), estrangulamento (21%) e objeto contundente, que engloba agressões físicas com auxílio de objetos de ferro ou madeira (15,8%).

De acordo com Mônica Roa, principal autora da publicação, as mortes por feminicídio, em geral, são altamente violentas do ponto de vista da agressão física e sexual, tendo as vítimas poucas chances de conseguir assistência médica em tempo hábil para sobreviverem. "A intenção de se separar, por parte da mulher, e os desentendimentos com o companheiro figuraram entre as motivações mais frequentes", conta a pesquisadora.

Atualizando dados sobre o feminicídio em Campinas, em 2019, Mônica diz que de janeiro até a semana passada ocorreram oito mortes. "Entrevistamos familiares de todas as vítimas", destaca.

De acordo com o epidemiologista da FCM, Ricardo Cordeiro, especialista em mortes violentas, as consequências do feminicídio, apesar de grandes, ainda não foram completamente dimensionadas.

“É preciso superar as limitações habituais dos estudos baseados em registros estatísticos. Conversar com pessoas próximas das vítima, realizando verdadeiras autópsias verbais, permitirá maior compreensão desse tipo de violência, da subjetividade das vítimas e motivações do agressor e, mais do que isso, em uma identificação mais acurada dos fatores de risco”, analisa.
Leia o artigo, na íntegra.

 

 
Cadastro de Jornalista  
   
   
« voltar  


   Clicknotícia® by Comunicativa    Política de Privacidade Desenvolvimento: Webcompany®