Campinas/SP - Segunda, 22 de abril de 2024 Agência de Notícias e Editora Gigo Notícias  
 
 
  home
  gigo notícias
  profissionais
  publicações
  clientes
  projetos
  entrevistas
  baú de notícias
  clippings
  galeria de fotos
  ensaios
  extra pauta
  cadastre-se !
  contato
Digite a expressão que deseja buscar
Cadastre-se e receba, por e-mail, as últimas do ClickNotícia.


Rua Alberto Belintani, 41
Whatsapp: (19) 98783-5187
CEP: 13087-680
Campinas-SP

 

HOLANDA É EXEMPLO PARA CAMPINAS EM HABITAÇÃO  


A AGÊNCIA DE NOTICIAS E EDITORA CLICKNOTICIA assumiu, a partir de 2021 as funções que desde 1996 a Comunicativa atuava no mercado de comunicação com características próprias de Agência de Notícias e Editora. Assim, também como agência e editora, a CLICKNOTICIAS se propõe a levantar informações de interesse jornalístico, na macro região de Campinas, espontaneamente ou por demanda para difundí-las através do site www.clicknoticia.com.br. Como Editora ela coloca à disposição de instituições públicas ou privadas o seu corpo de profissionais para produção de publicações jornalísticas em todas mídias disponíveis. Ao conhecer a empresa e suas necessidades no setor de comunicação, podem ser sugeridas ferramentas através da elaboração de um Plano de Comunicação, incluindo jornal para os funcionários, publicações institucionais ou específicas para os clientes, produção de conteúdo para sites, criação de hubs e sites responsivos, entre outras. Esse trabalho é pautado por critérios profissionais e éticos acim a de tudo. A Comunicativa Assessoria e Consultoria Jornalística foi criada como prestadora de serviços jornalísticos em abril de 1996 em função da demanda de profissionais capacitados para interrelacionar o segmento corporativo e os veículos de comunicação jornalística. Fone/WS: (19) 987-835187 - (19) 99156-6014


»
Baú de Notícias
» Galeria de Fotos

» Clipping

   


ALTO TAQUARAL EM CAMPINAS JÁ CHAMAM DO DE PALITEIRO


CAMPINAS/SP


NO TELHADO

A CRESCENTE ONDA DE PRÉDIOS DE APARTAMENTOS EM CAMPINAS, COMO AQUI NA REGIÃO DO ALTO TAQUARAL, PODERIA LEVAR OS EMPREEENDEDORES A USAREM, COMO EXEMPLO, A POLITICA HABITACIONAL HOLANDESA DE OCUPAÇÃO DOS ‘TEHADOS’ DOS EDIFÍCIOS PARA CONSTRAÇÃO DE MORADIAS.



Lá na Holanda, eles estão buscando regularizar esta habitação pois completar edifícios pode criar milhares de casas todos os anos. “Mas então a lei dos apartamentos deve primeiro ser alterada”, dizem os especialistas do mercado imobiliário holandês.

No país já existem exemplos de novos pisos em apartamentos existentes. Construtores como Vorm Bouw também veem potencial em habitações modulares em telhados. No entanto, as coisas ainda não correm muito bem no que diz respeito à cobertura de edifícios nos Países Baixos.

“Na verdade, existe apenas um fator estrutural que impede o potencial de complementação”, diz o advogado Benjamin den Butter. Basta que um proprietário de apartamento seja contra e toda a festa de recarga não acontecerá. Isso se deve ao direito do apartamento. Isto estabelece que todos os proprietários numa Associação de Proprietários (VvE) devem concordar com planos de construção que afectem os seus direitos de propriedade.

Fração e direito de participação

Se forem acrescentadas casas adicionais no topo de um edifício de apartamentos, isso alterará os rácios de voto e a chamada quota fracionária dos proprietários. Essa fração é a porcentagem que um apartamento individual ocupa na propriedade de todo o edifício: se forem acrescentadas casas adicionais, essa fração ficará menor. Isto faz com que as consequências do complemento para os proprietários sejam de grande alcance, segundo o legislador.

“E ainda assim as coisas têm que ser diferentes”, diz Den Butter, especialista em direito residencial na Berlinger Advocaten. Segundo ele, a complementação é o remédio contra o déficit habitacional e bom para uma construção habitacional mais sustentável. As associações de proprietários que têm pouco dinheiro também podem colher os benefícios, diz Den Butter. Com o produto do reabastecimento, podem, por exemplo, tornar o seu edifício mais sustentável ou dotá-lo de um elevador.

Novas camadas

Há quatro anos, em Paris, o advogado viu como os belos edifícios históricos foram dotados de novas camadas de construção ao longo dos séculos. Topping ainda não é um esporte popular na capital francesa. Mas apesar da tese que Den Butter escreveu sobre o assunto, e do entusiasmo do Ministro da Habitação, Hugo de Jonge, o topping ainda não está a aumentar nos Países Baixos.

Den Butter não sabe se muitos planos para andares adicionais estão sendo contestados pelos proprietários. «Mas as regras actuais conduzem a processos morosos e morosos. E, na pior das hipóteses, um projeto inviável.

Charmoso e inteligente

Enviar

Numa carta à Câmara dos Representantes, Den Butter pede que as regras sejam ajustadas. Ele faz sua ligação junto com o desenvolvedor técnico Rueben Kieffer da BoomBuilds. Esta agência de construção sustentável quer ajudar pelo menos 400.000 famílias na Europa com uma casa neutra em CO2 até 2030.

Segundo a dupla, uma alteração na lei é relativamente simples. O limite para consentimento na associação de proprietários poderia ser reduzido para dois terços dos votos, em vez de cem por cento de consentimento dos proprietários.

Kees Oomen, da fundação VvE Belang, não é diretamente contra a proposta, mas tem dúvidas. «O reabastecimento é uma ideia encantadora, porque cria habitações adicionais e pode ajudar certas associações de proprietários a completar os seus planos de sustentabilidade. No entanto, acho que mudar as regras é muito drástico. Sou a favor de flexibilizar a lei dos apartamentos, mas mexer nas relações de propriedade - porque é isso que se faz com os complementos - é um passo de longo alcance. Não devemos encarar isso levianamente.

Moradia é um direito fundamental

O advogado Den Butter coloca em perspectiva que até a Constituição pode ser alterada com uma maioria de dois terços. «Mas é necessária unanimidade para uma operação que beneficie todos os proprietários, que possa combater o défice habitacional e salvar zonas verdes. Isso não pode ser justificado.

A organização guarda-chuva da corporação, Aedes, acredita que cobrir edifícios tem muitas vantagens. Segundo a associação comercial, é uma boa forma de aproveitar ao máximo o espaço nas grandes cidades e pode promover a mobilidade de inquilinos e proprietários dentro de um complexo ou bairro.

Seguindo o exemplo francês

Aedes está dividido. Segundo a organização guarda-chuva, as regras actuais são demasiado rígidas e precisam de ser flexibilizadas, especialmente com vista a tornar o ambiente construído mais sustentável. No entanto, até onde o legislador deve ir neste sentido é um assunto em discussão. “Teremos que analisar isso com cuidado”, responde o porta-voz Pluup Bataille.

“Vamos aprender com a França”, conclui o advogado Den Butter. «O legislador alterou a lei de forma semelhante em 2014. Juntamente com a flexibilização da legislação ambiental, isto conduziu a um verdadeiro aumento do congestionamento.´
 


Outras fotos :


HOLANDA BUSCA O APROVEITAMENTO DOS TELHADOS DOS EDIFÍCIOS

 
 
   
   
« voltar  


   Gigo Notícias    Política de Privacidade